segunda-feira, 29 de setembro de 2008

O DESACELERADOR DE ALMAS



Uma das maiores fantasia humana é o desejo de ser Deus.

Esse fetiche de nossa essência quanto ser humano tem nos levado a imensas tragédias e a quase completa alienação de Deus. Foi assim no início de tudo (para quem crê), a fascinante possibilidade de ser igual ao Criador fez Adão experimentar o fracasso do seu limitado ser e transmiti-lo como um gene hereditário a toda raça por ele inaugurada.

Depois veio Babel e sua balburdia dissonante. A torre que seria um signo e um símbolo da capacidade tecnológica do homem alcançando os céus e fazendo-se deuses, tornou-se um outdoor teológico-filosófico-histórico-mitológico da megalomania humana, jamais satisfeita e eternamente decepcionante.

Os reis egípcios julgaram-se deuses, e desenvolveram ciências e mecanismos para tentar driblar o que não era possível esconder, o apodrecimento de sua carne denunciando que tão somente homens eram e nada mais.

Nabucodosonor achou ser um deus, enlouqueceu e comeu capim como qualquer burro xucro. Herodes aceitou ser louvado, e foi comido por vermes.

E assim tantos outros surgiram em nossa sinuosa história da humanidade.

Aprecio o desenvolvimento científico e caio em profunda tristeza quando percebo as inúmeras vezes que as religiões e o próprio cristianismo foram usados como artifício para estagnar o conhecimento, para ignorantizar os povos.

O que não aprecio são experimentações equivocadas sem medir conseqüências de suas ações. Bilhões foram gastos na construção desse acelerador de partículas para um experimento obsoleto e infrutífero, quando temos problemas tão mais acelerados e pertinentes e palpáveis problemas a nossa volta gritando por soluções e investimentos que são desperdiçados numa brincadeira de deus.

Sem falar que o principio da experiência choca-se com a religiosidade científica pregada como justificada para tamanho desperdício. É tudo para provar que a vida surgiu de uma idéia subatômica que duas partículas tiveram, e resolveram dançar um “funk” e...BOOM! Tudo aconteceu, tudo veio a existir.

Ora, se esse tal invento conseguir provar que o Big Bang existiu, o que ele vai provar é que foi necessário alguém criar o acelerador cósmico de partículas para que assim o universo pudesse existir.

Inventemos coisas mais úteis que possam ajudar na melhoria da vida com justiça, paz e bem estar as pessoas que choram, clamam e gritam. Espero que o tão falado acelerador de partículas não desacelerem as almas e jogue o mundo em mais uma perigosa e neurótica brincadeira atômica.

Um comentário:

cincosolas disse...

Jofre,

Também não sou contra a experimentos, mesmo que dispendiosos. Porém, parece que o acelerador visa apenas satisfazer a curiosidade humana. Dele não sairá nenhum benefício prático, pelo menos que eu perceba.